TRANSTORNO BIPOLAR

Vivendo os opostos

Entendendo o Transtorno Bipolar

       

 

O que é o transtorno bipolar?

     

O transtorno bipolar é caracterizado por aquelas pessoas que parecem viver como em uma roda gigante, onde hora podem estar no auge da alegria (fase maníaca), e hora em estado de muita tristeza (depressão).  Ou seja, variam de um humor depressivo para um agitado.

 

Há casos em que o evento maníaco só ocorre uma vez ou diversas vezes.

Formas do transtorno bipolar se apresentar 

Transtorno bipolar I – se apresenta por depressão profunda com episódio maníaco completo;

 

Transtorno bipolar bipolar II – a fase maníaca é menos intensa (hipomaníaca), podendo ocorrer ao menos uma vez na vida do sujeito. Entretanto, a fase de depressão maior é recorrente;

 

Transtorno ciclotímico – ocorrem mudanças constantes no humor, porém de forma mais leve e mais demorada (crônica). Assim, o sujeito hora está na fase hipomaníaca e hora na depressão.

Quem pode apresentar o transtorno bipolar?

Qualquer pessoa, entretanto, estudos mostram que o transtorno bipolar é mais comum em integrantes de uma mesma família.

Qual a diferença entre transtorno bipolar e o transtorno de personalidade borderline? 

    

BAIXA AUTOESTIMA SINTOMAS

 

Conceito e dicas....

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE 

BORDERLINE

 Um carrocel de emoções

ESTRESSE

 

O inimigo silencioso

Apesar dos dois serem confundidos há certas diferenças, mas dependendo da pessoa poderá ser pequena. 

O transtorno de personalidade borderline corresponde a uma mudança de humor mais rápida que no transtorno bipolar.

 

A mudança no comportamento no transtorno de personalidade borderline depende de fatores externos. Assim, precisa que uma situação desagradável aconteça, para transformar uma pessoa gentil e educada em alguém completamente brava - sem haver "meio termo".  

 

No transtorno bipolar, a pessoa depende de fatores internos para alternar o comportamento. Sendo assim, caso esteja numa fase maníaca ou depressiva, mesmo que o ambiente mude ao seu redor, ela só vai se transformar quando terminar cada fase.

 

No transtorno bipolar, por exemplo, o indivíduo pode fazer enormes gastos por questão de euforia momentânea, correspondente a fase maníaca. Enquanto que no borderline o sujeito poderá exagerar nas compras, mas com efeito de preencher o vazio interior que sente.

Fase maníaca

Conheça o transtorno bipolar

       

 

O que é a fase maníaca - no transtorno bipolar?

 

A fase maníaca se configura pela apresentação de euforia ou alegria exagerada. Ela se refere a um estado de humor exaltado para mais.

Como acontece a fase maníaca?

 

Nesta fase, o sujeito perde o contato com a realidade sobre sua condição humana. O perigo ocorre quando  se envolve em situações de risco. 

Comportamentos geralmente apresentados - no transtorno bipolar:

  • Extrema alegria;

 

  •  Sociabilidade excessiva;

 

  • Fala rápida e ininterrupta;

 

  • Distrai-se com facilidade;

 

  • Aumento da atividade sexual;

 

  • Diminuição do sono;

 

  • Irritabilidade;

  • Gastos de dinheiro em excesso;

  • Sente pouco cansaço;

  • Capacidade de discernimento reduzida;

 

  • Mudança no consumo (alimentar, bebidas, drogas);

 

  • Ilusão sobre si mesmo (sensação de grandiosidade);

  • Fuga de ideias - pois um pensamento nem se conclui e logo surge outro.

Se não tratada a fase maníaca pode durar muito tempo, e o indivíduo pode ficar totalmente vulnerável.

Não somos apenas o que pensamos ser. Somos mais!

 

Somos também o que lembramos e aquilo de que nos esquecemos.

 

Somos as palavras que trocamos, os enganos que cometemos e os impulsos a que cedemos (mesmo sem querer)."      

 

 

S. Freud

Depressão

Conheça o transtorno bipolar

Entendendo o Transtorno Bipolar

"A vida acontece no equilíbrio entre a alegria e a dor."

Carls G. Jung

       

       

Como acontece a fase depressiva - no transtorno bipolar?

   

Nesta fase ocorre o contrário da fase maníaca, podendo o indivíduo apresentar:

 

  • Humor depressivo - desesperança, desânimo, tristeza;

 

  • Dores sem explicação;

  • Autoestima rebaixada;

 

  • Sensação de cansaço inapropriada;

 

  • Pensamentos lentos e com dificuldade, falta de atenção;

 

  • Ganho ou perda de peso;

 

  • Falta de interesse pelas coisas que antes lhe traziam satisfação;

 

  • Ideias ou tentativas de suicídio;

 

  • Pouco sono.

Entre a fase maníaca e a depressiva – qual é a mais perigosa no transtorno bipolar?

Tanto a fase depressiva como a maníaca se forem intensas podem causar prejuízos.

      

Do ponto de vista da fase maníaca – a pessoa que sofre do problema pode perder o bom senso, se colocando em situações de risco, frente a uma euforia sem controle.

 

Do ponto de vista da fase depressiva – de acordo com a intensidade e com a subjetividade de cada um, pode ocorrer intenções suicidas bem sérias.

Por que procurar tratamento - 

no transtorno bipolar?

       

O tratamento é importante para que o sujeito possa se sentir melhor. O tratamento adequado diminui a  alternância de uma fase para outra e suas complicações.

A hospitalização é algo que desgasta o corpo e o psicológico, para evitar a necessidade desse processo, é ideal seguir a recomendação médica. 

A psicoterapia também é importante, pois ajuda o sujeito a responder melhor diante das fases, como também para conscientizá-lo sobre o comportamento autodestrutivo.

 

A pessoa que sofre do transtorno bipolar não consegue explicar o que sente, porque muitas vezes não entende o que está se passando. Assim, relatar os sintomas para o médico, é algo que é feito com muito sacrifício. Portanto, é importante que os familiares a acompanhe quando perceber a dificuldade de comunicação.

Percebo no consultório de psicologia o quanto é importante que a pessoa conheça sobre o seu problema, que siga as recomendações médicas, que faça contato com suas sensações físicas, que fique segura para estabelecer maneiras diferentes de se relacionar consigo mesmo e com o ambiente.

Orientação importante em casos de crise -

transtorno bipolar

Entendendo o Transtorno Bipolar

       

  

Euforia excessiva - cuidado necessário no transtorno bipolar

Pode acontecer do indivíduo na fase de mania interromper ou diminuir o medicamento sem orientação médica, por achar que está muito bem. Assim como também, pode vir a parar de frequentar a psicoterapia,  por acreditar que não precisa mais - o que é um erro. 

 

A interrupção do tratamento pode fazer os sintomas se intensificarem e causar sérios problemas. 

Durante a fase maníaca essas pessoas podem negar a existência do problema. Nessa fase, o indivíduo  necessita de ser acompanhado de  perto pelos familiares, porque ele pode-se colocar em risco e também a vida de outros próximos a ele. 

A área financeira dessa pessoa também precisa de cuidado, pois ela pode vir a gastar demais, perdendo o controle.

Em casos necessários é preciso a internação, mesmo sem a vontade da pessoa, pois geralmente ela fica irreconhecível, se tornando muito agressiva e sem capacidade de julgamento. Mesmo que depois ela fique chateada com quem solicitou a internação, é importante que sua vida seja preservada.

Ação

 

Aja como se o que você faz, fizesse diferença, porque faz.

William James

Fase depressiva no transtorno bipolar

Quanto a fase depressiva, o cuidado também deve acontecer, pois o risco de suicídio pode existir.

É comum que nesta fase a pessoa se mostre sem ânimo, ficando resistente para reagir. O ideal é que ela esteja próxima de pessoas positivas. 

Se você conhece alguém que sofre do problema, esteja próximo e, mostre que pode contar contigo.

 

Mas, não force essa pessoa a nada. Em vez disso, procure potencializar os esforços que ela faz, mesmo que pequenos. Se ela se levantou para tomar um banho, fazer sua alimentação - valorize cada passo que der. 

Se quando você sugestiona coisas para ela fazer o resultado não é bom, então procure questionar de que forma você pode ajudá-la? Mas, se ela não disser nada, respeite e seja "presença" na vida dela. O que essas pessoas mais precisam é de compreensão e apoio. 

Prevenção -

transtorno bipolar

 

Mesmo que difícil, cada um deve procurar ter uma vida saudável, se alimentar bem, descansar, se distrair e tomar os remédios corretamente, não faltar na psicoterapia. Conhecer mais sobre o problema e a importância da medicação, é um fator que conscientiza sobre a responsabilidade do sujeito para com o tratamento.

 

Se conhecer melhor, fazendo contato com aquilo que está sentindo, também pode ajudar a identificar quando os sintomas surgem. Com isso, a resposta do indivíduo é mais adequada a cada fase.

Os familiares que convivem de perto com essa situação, também é importante que conheçam sobre o transtorno bipolar. Assim como também, precisam se fortalecer para dar um bom suporte àquela pessoa tão querida.

"Abrindo os olhos" você carrega em si tudo aquilo que precisa!

 

Maria Cristina Santos Araujo
Psicóloga SP - 06/108.975