BAIXA AUTOESTIMA

Sintomas

 

O que é a baixa autoestima?

 

Diante de um espelho côncavo, a pessoa com baixa autoestima se vê, numa imagem distorcida de quem ela é de verdade.

Esse sujeito tende a se perceber inferior as outras pessoas, mesmo não sendo.

 

Nesse modo de se comportar cristalizado, o indivíduo pode por exemplo, ser explorado pelo outro, ficar sujeito a vontades alheias, sendo entregue a própria sorte.

Por se sentir inseguro, é capaz de se render com maior facilidade.

 

Costuma também, não fazer aquilo que realmente quer, por exemplo, se cala quando gostaria de falar, diz "sim" quando precisaria dizer "não".

 

Tudo isso, é experimentado de forma árdua pelo indivíduo. Pois enquanto não desenvolve o auto apoio, não vive de forma atualizada e transformadora. 

 

Sentir baixa autoestima é coisa séria, e, está ligada a problemas psicológicos que levam a depressão, ansiedade, vício, suicídio, entre outros.

DEPRESSÃO

 

Como vencer?

BAIXA AUTOESTIMA - Influência no dinheiro que você ganha

Os gatilhos da mente...

MEDO DO JULGAMENTO DOS OUTROS

Como superar?

Uma vida marcada por sentimentos negativos

Em situações que já presenciei como profissional, percebo que o sofrimento das pessoas com baixa autoestima, começam a aparecer desde muito cedo. Geralmente essas pessoas sofrem anos com isso. Por não conhecerem outra forma de viver, não percebem que a vida poderia ser bem melhor. 'A vida pode ser marcada por dor, até o sujeito mudar o modo como encara as coisas.

Como é viver com baixa autoestima?

 

Pessoas com baixa autoestima sofrem muito, pois sentem:

 

  • Cobrança exagerada de que devia fazer mais pelos outros, enquanto muitas vezes, não é considerada por esses;

  • Se sente inferior;

  • Fica incomodada, pois acredita o tempo todo de que é inadequada;

  • É sensível a crítica;

  • Fica ressentida facilmente;

  • Teme figuras de autoridade;

  • Se percebe com vergonha;

  • Fica com medo de reivindicar seus direitos;

 

  • Se coloca como alguém que está numa posição desvantajosa.

Com baixa autoestima o indivíduo está propenso a:

  • Buscar excessivamente por segurança, pois não confia em si mesmo; 

  • Aceita acusações porque têm medo de se opor;

  • É capaz de defender os outros, mas fica paralisado quando precisa fazer a própria defesa;

  • Acredita que está sobre ameaça constante, desta forma, leva muito a sério tudo que acontece; 

  • Se desaprova;

  • Deseja por aceitação e feedbacks positivos; 

  • Receia se relacionar intimamente com outras pessoas, procura a fuga ou a esquiva constantemente;

  • Procura fazer coisas para os outros, mesmo que isso lhe desagrade;

  • Supervaloriza o outro, enquanto se desqualifica;

  • Tenta agradar, mesmo quando a situação não é nada confortável para si;

  • Age com cautela e com o máximo de cuidado para não errar, pois não quer dar motivos para que seja  levantada queixa contra ele;

  • Fica hesitante, bloqueia sua espontaneidade, se tornando alguém tenso;

  • Pode sentir muita culpa, se cobrando demais por perfeição.

Quais são os medos

de alguém com baixa autoestima?

O que é a baixa autoestima

O comportamento receoso aparece em:​

  • Não quer que os outros percebam sua insegurança;

  • Precaução para não fracassar;

  • Teme não estar a altura dos outros;

  • Tem medo de ser ridicularizado;

  • Não quer ser pego de surpresa, então evita situações que lhe provoca desconforto;

 

  • Teme a rejeição;

  • Receia viver com baixa autoestima o resto da vida.

Como vencer o problema?

 

 

Não existe uma receita ideal que serve para todos, porém, é importante que acima de tudo a pessoa deseje sair disso. 

 

Que faça parte das 24h do seu dia a busca pelo autoconhecimento. Ás vezes, é cômodo deixar as coisas como estão, porém, as mesmas atitudes não transformarão a atual realidade. 

É necessário que haja motivação para caminhar em direção as próprias verdades, não aquelas que são importantes para os outros, mas as que fazem seu coração disparar.

 

Se você se observa com baixa autoestima, é preciso que procure parar de se julgar, de se exigir tanto, para que sobre tempo para atuar com mais assertividade e criatividade.

 

Questione seus pensamentos antigos, principalmente aqueles mais negativos que você tem a seu respeito. Se antes quando criança ou até mesmo enquanto adulto você foi obrigado a aceitá-los, agora não mais. Hoje você já pode discernir o quanto de verdade há neles.

"A dor costumada não se sente."

L. V. Camões

Muitas pessoas aprendem a viver, quando percebem que não há mais tempo para perder, principalmente quando surge uma doença. Então, não espere isso acontecer. Procure fazer coisas significativas, esteja aberto para entender o real sentido da vida. 

 

Procure ter ao seu lado pessoas que te valorizam, desfaça qualquer laço que coloque você em situação de baixa autoestima. 

Viva intensamente, aproveitando as coisas simples, mesmo que seja tomar um café. Tenha gosto pelas coisas que existem. Encontre graça nas coisas da natureza.

Esteja aberto para "dar e receber", principalmente esteja aberto para se conhecer e aprender. 

"Abrindo os olhos" você nunca mais partirá do zero, pois agora já tem experiência do que é a dor. Porém, precisará vivenciar a felicidade!

Maria Cristina Santos Araujo

Psicóloga SP - 06/108.975