BAIXA AUTOESTIMA

No trabalho

 

A falta de autoestima é como uma barreira, que bloqueia o profissional de funcionar com eficiência dentro de seu próprio papel.

 

Tudo sem autoestima torna-se cansativo: o serviço não flui, as coisas são feitas com morosidade, podendo não dar tempo de cumprir prazos e combinados.

​Quando se conta com ambientes de trabalho bastante competitivo, é onde as pessoas com baixa autoestima mais sofrem. Pois, o nível de exigência e perfeccionismo que elas têm são enormes, com tendência para ficar se controlando o tempo todo.

A baixa autoestima pode refletir na redução da criatividade, na resolução de problemas e possibilidade de crescimento profissional.

 

A autoestima somada a ética e a inteligência faz emergir uma receita muito especial para o sucesso. Porém, é no ambiente de trabalho que os problemas surgem, tanto na esfera de lidar com as próprias tarefas quanto a de se relacionar com os outros.

Abaixo estão os sinais da baixa autoestima e também algumas dicas que podem ajudar! 

Comportamentos que declaram que uma pessoa tem

baixa autoestima

Baixa autoestima no trabalho

"Você é perfeito se:

se permitir ser." 

F. Perls

Alguns sinais:

  • Não confia em seu potencial para crescer na carreira; 

  • Tendência a ficar muito chateado quando contrariado;

  • Negativo, espera pelo pior das coisas;

  • Receia não ser aceito;

  • Medo de expor suas idéias;

  • Teme ser questionado em público;

  • Apresenta dificuldade para lidar com críticas;

  • Se percebe inseguro;

  • Não acredita nos elogios que recebe;

  • Inclinado a interpretar as coisas pelo lado pessoal;

  • Considera as atitudes dos outros como ataques;

  • Não confia em si mesmo para competir;

  • Apresenta sentimento de inferioridade;

  • Tem pensamentos negativos a seu próprio respeito;

  • Se coloca de forma cautelosa e hesitante;

  • Se sente inadequado;   

  • Procura não se arriscar;

  • Se compara com os outros...

BAIXA AUTOESTIMA - Influência no dinheiro que você ganha

Veja o que acontece quando você se diminui...

PSICOPATA NO TRABALHO

 

Como não ser prejudicado...

SÍNDROME DE BURNOUT 

A síndrome do esgotamento no trabalho

Comportamentos da baixa autoestima

no trabalho

 

 

Alguns comportamentos quanto às tarefas:

  • Se sente incomodado - pode interromper aquilo que está fazendo quando observado;

  • Quando erra - se culpa muito;

  • Mudança na rotina - o incomoda;

  • Apresenta resistência - em fazer coisas diferentes;

  • Revisa várias vezes - antes de entregar uma tarefa;

  • Dúvida - daquilo que melhor faz;

  • Se critica - o tempo inteiro;

  • Fica muito nervoso - quando as coisas não saem do jeito que esperava;

  • Procura ser meticuloso - para não falhar.

Relacionamento com os colegas:

  • Tem medo de se impor, mesmo quando é tratado com injustiça;

  • É constantemente interrompido quando fala;

  • Pode em alguns instantes demonstrar grosserias, provavelmente porque já não aguenta mais os outros  ou para não demonstrar as fraquezas que tem;

  • Mostra dificuldade para falar "não";

  • Olha para os colegas como se fossem muito maiores do que realmente são;

  • Compara o próprio desempenho com os demais;

  • Se sente ameaçado o tempo todo; 

  • Tem medo que pensem mal dele.

A relação com o chefe

​Alguns comportamentos:

  • Anseia por avaliações e feedbacks positivos;

  • Fica pouco a vontade quando se sente observado;

  • Tem dificuldade para pedir aumento ou mudança de cargo;

  • Acha que será demitido a todo momento;

  • Tem dificuldade para explicar e executar as tarefas quando ansioso - as palavras fogem da sua mente, as coisas saem errado do que planeja;

  • Se sente reprovado;

  • Tem dificuldade para dialogar com os superiores, até mesmo para falar coisas triviais;

  • O chefe poderá até ser aquela pessoa bacana, mas o profissional com baixa autoestima provavelmente o temerá.

​​

Parar de progredir na carreira pode ser

sinal de baixa autoestima

Em nosso país, existe um fator social e econômico que influência o modo de como as profissões vão se firmar no mercado. Assim, ocorre a valorização de algumas profissões, enquanto outras desaparecem. Entretanto, também há um sujeito, que é responsável pelo seu próprio desenvolvimento.

 

Se uma pessoa não confia nas próprias capacidades, mesmo tendo todas as qualidades possíveis, é bem provável que se julgue incompetente para assumir novas tarefas.

 

Ocorre muitas vezes, de uma pessoa sem muito potencial assumir uma postura mais segura diante das oportunidades, e, ganhar a vaga de uma outra tecnicamente mais competente (porém com baixa autoestima).

Um indivíduo que não se conhece bem e que não se valoriza, não sabe a força que tem, por isso deixa muita vezes de tentar algo melhor para si. 

Dicas que ajudam a aumentar sua autoestima

 

 

Quando perceber que está com medo, procure compreender quais as razões disso, também observe aquilo que está se passando internamente com você. Analise se o perigo que receia, realmente existe ou é fantasia. Converse com pessoas que podem te ajudar a refletir.

Tenha claro onde quer chegar e quais caminhos percorrer.

Tente resgatar em sua mente acontecimentos desafiadores, mas que você conseguiu superar.

 

Aos poucos procure aceitar pequenos desafios, "um aqui e outro ali", e veja como se sai bem, e, logo começará a entender que nada há para temer. Se aceite com mais compaixão quando falhar.

 

O profissional com autoestima é aquele que também procura ficar inteirado daquilo que está acontecendo em sua área. Ele busca o conhecimento, procurando saber cada vez mais, mesmo já sendo especialista  no assunto.

O profissional que acha que "sabe tudo" é aquele que se estagna na carreira. Por esta razão, leia, participe de palestras, faça cursos, interaja com outros profissionais.

Quando pensamos em autoestima, falamos também do autoconhecimento. Aquele que confia em seu potencial e que se conhece o suficiente, saberá até que ponto poderá ir sem se prejudicar.

 

Também não adianta externamente apresentar ser autoconfiante, se lá no fundo a própria pessoa não sentir aquilo de verdade. Para ter autoconfiança não basta querer - mas ser.

Seja como você é, de maneira que possa ver quem és. 

Quem és é como és.

 

F. Perls 

Algumas vezes todos nós vamos nos sentir incomodados com algo, porém isso não pode acontecer o tempo todo.

 

A baixa autoestima propicia na pessoa um grande esforço, para se manter dentro do papel que ela acredita ser o ideal. Se confiasse nela mesma, isso não seria necessário, e, esforços seriam poupados. Por essa razão, o cansaço costuma aparecer nessas pessoas. Além de serem aquelas que geralmente mais trabalham numa empresa, pois não acham que fazem o suficiente.

"Abrindo os olhos" para viver melhor, te conduzirá para a direção certa!  

Maria Cristina Santos Araujo

Psicóloga SP - 06/108.975