top of page
Buscar
  • Foto do escritorPsicóloga Maria Cristina S. Araujo

COMO CRIAR FORÇAS PARA SAIR DE UM RELACIONAMENTO DIFÍCIL


COMO CRIAR FORÇAS PARA SAIR DE UM RELACIONAMENTO DIFÍCIL - psicorientacao.com
Artigo Relacionamento Difícil - Psicóloga SP Maria Cristina S. Araujo


No início o seu parceiro afetivo era aquele que falava exatamente o que você queria ouvir? Te tratava bem, mas aos poucos a situação foi mudando? Agora os bons momentos estão ficando cada vez mais raros?


Talvez esteja vivenciando um relacionamento difícil ou relacionamento tóxico. Então esse artigo é para você.



Planeje seu futuro financeiro antes de sair de um relacionamento difícil


Muitas pessoas que passam por um relacionamento difícil se sentem impactadas quanto a questão financeira, principalmente quando o outro faz o seguinte:

  • Tenta tirar o parceiro do trabalho;

 

  • Ataca sua autoestima para que não tenha força para crescer profissionalmente;

 

  • Faz dívidas e coloca no nome do outro;

 

  • Compromete mensalmente os ganhos do parceiro de forma geral, entre outros.

 

Muitas pessoas não saem de uma relação difícil porque a parte financeira está comprometida, outras vezes não têm uma rede de apoio.


Então, a primeira dica é: "Tome cuidado com a questão financeira".

 


Se fortaleça


Se você está num relacionamento difícil é possível que tenha que lidar com acusações de que você está sempre errado, e que a responsabilidade é sua pelo fato do casal está no fim:

  • Eu fiz de tudo por você;

 

  • Você não valoriza nada;

 

  • Tive que renunciar muita coisa para ficar ao seu lado;

 

  • Te sustentei até agora;

 

  • Deixei de ficar com outras pessoas...

 

O comportamento de acusação pode te levar a um lugar onde você se sinta culpado, sem forças para terminar com a relação.

Se a outra parte está exagerando é porque talvez já tenha percebido que está te perdendo e quer te fazer permanecer na relação. Já parou para pensar: “Se você é tão ruim para o seu parceiro, por que essa pessoa ainda insiste na relação contigo?”

Você deve ser alguém ótimo provavelmente. Você sabia que pessoas difíceis de lidar ou tóxicas são especialistas em observar e tentar um relacionamento com os parceiros mais empáticos e maravilhosos? O problema não está em você, mas no seu parceiro afetivo provavelmente. Contudo, o provocador tentará te fazer pensar o contrário. Então, não compre essa ideia.


Autocompaixão para quem vive uma relação tóxica


COMO CRIAR FORÇAS PARA SAIR DE UM RELACIONAMENTO DIFÍCIL - psicorientacao.com
Artigo Relacionamento Difícil - Psicóloga SP Maria Cristina S. Araujo

No momento em que você se dá conta de que as coisas não vão mudar no relacionamento amoroso é como se um castelo desmoronasse sobre seu corpo, e você sentisse todo o peso das expectativas não realizadas.

 

Passa um filme na cabeça de todos os momentos em que precisou ser firme, e nessa hora vem muito remorso, também tristeza. O corpo pesa, a cabeça dói, o coração se aperta, ruminações acontecem o tempo todo:

  • Por que eu deixei chegar nesse estado?

  • Eu não me defendi por qual razão?

Não é possível evitar toda essa montanha-russa de sentimentos e questionamentos. Mas em algum momento seria importante você sentir autocompaixão.

Autocompaixão é um ato de justiça e bondade que você tem com sua pessoa. Principalmente se tratando da mesma forma em que trataria o seu melhor amigo.

Esse comportamento vai te ajudando a se fortalecer. Lembrando que o tempo todo você foi uma pessoa colocada para baixo pelo outro, e agora precisa ter uma atitude amorosa consigo.

 

Lidar com o conflito de “ficar ou sair” da relação difícil


Você que está enfrentando o dilema de ficar ou sair de um relacionamento difícil pode vivenciar durante o mesmo dia várias versões de uma vida (onde há ou não a presença do seu parceiro afetivo).

O conflito é comum acontecer para aqueles que estão passando por um relacionamento difícil porque provavelmente nem sempre a relação foi ruim. Inclusive, "se o teu parceiro afetivo não ficasse maleável de vez em quando" você não aguentaria continuar até agora com a relação amorosa.

No consultório percebo que o paciente se recorda dos momentos felizes que teve durante a relação, e eu acredito nele, mas o bem-estar de fato não permanece. Sendo assim, hora ou outra a opressão volta a acontecer.

​​

Se situações ruins ocupam a maior parte da relação, é importante você verificar se realmente faz sentido permanecer nessa situação.

Observe se também grande parte do seu conflito é proveniente do teu parceiro - que também lhe dá falsas esperanças de que vai mudar - mas isso não acontece.

Medo de ficar sozinho


Percebo no consultório de psicologia muitos pacientes com medo da solidão. Eles olham para a idade, analisam como que estão as pessoas solteiras, e pensam que não conseguirão mais ninguém.

 

Também acontece da pessoa que foi a vítima ficar tão cansada que deseja não entrar numa nova relação por medo de que tudo se repita.

A pessoa que sofre não percebe que já está sozinha, porque as coisas que o parceiro afetivo faz já mostra que ela não pode contar contar com ele. Refletir sobre isso pode te ajudar a tomar decisões.



Cuide da sua saúde


Nem todos têm a oportunidade de se cuidar, porque isso exige uma certa condição financeira. Mas olhando para aquilo que você pode, o que é possível fazer?

Hoje não são apenas os profissionais que são responsáveis pela saúde dos seus pacientes. Quando a pessoa cuida de si, ela também é autora desse processo tão importante.

Tomar água, dormir, não pular refeições, fazer uma atividade física, descansar, ter um hobby, mesmo em casa procurar fazer algo, por exemplo.


Dica importante: O que você fazia antes da relação? O que você gostava e que hoje não faz mais?

Quem passa por um relacionamento difícil é comum deixar as coisas que gosta de lado, porque o parceiro afetivo muitas vezes pressiona a isso, cujo intuito possivelmente foi para enfraquecê-lo. Então, que tal voltar a sua essência?

 

Claro que também, nós mudamos com o passar do tempo. Assim, olhando para hoje o que te deixaria mais feliz? O que é possível fazer com o que você tem?

Se sozinho não está conseguindo sair de uma relação difícil entre em contato e marque terapia. 




Não se desgaste tanto no relacionamento abusivo


O parceiro afetivo pode ir te conduzindo para que se sinta acurralado. Talvez agora você tenha percebido que não importa o seu esforço, porque o outro não se sente satisfeito.

Eu percebo no consultório de psicologia os pacientes “super alertas” focando o tempo todo no que podem fazer para que o parceiro afetivo não se aborreça. Mas não adianta porque o descontentamento do outro e as explosões continuam acontecendo.

No final essas pessoas que são vítimas ficam com desgaste físico e emocional.

Quanto mais cansado, mais difícil para você pensar em alternativas de como sair dessa situação.


Então, que tal poupar um pouco suas energias e tentar focar naquilo que é mais importante para você? 

Você é importante mesmo que tenha sofrido muito


Viver ao lado de uma pessoa que falou muitas coisas negativas a seu respeito pode te abalar muito.


Mas você tem uma história que já existia antes dessa pessoa chegar em sua vida. Não é mesmo? E agora, você seguirá daqui para frente mais experiente.

Uma pessoa não permanece num relacionamento tóxico porque quer. Existem muitas coisas que envolvem: filhos, financeiro, rede de apoio, saúde, carência emocional, entre outros.

Não se pode julgar aquele que sofre! Dificilmente alguém escolhe para si a dor, pelo contrário corremos o tempo todo dela.

Se possível nos próximos dias se encha de pessoas boas, nesta hora cabe dizer que é importante fazer uma higiene das amizades. Ou seja, mantenha perto pessoas que te colocam para cima, pois é ideal se encher de coisas maravilhosas.

Também procure uma ajuda profissional para você elaborar tudo isso que está passando. Você também poderá entrar em contato comigo para marcar uma consulta!


Maria Cristina S. Araujo
Psicóloga em São Paulo - 06/108.975 


Comments


bottom of page