CIÚME PATOLÓGICO

Entre a dor e o medo

 

O que é o ciúme patológico?

 

Ter ciúmes é comum quando se trata de um relacionamento amoroso. Mas, quando ocorre de forma exagerada é caracterizado como patológico devido prejuízos constantes.

 

O ciúme patológico é inflexível e mal adaptativo. Causa sofrimento e prejuízo funcional significativo para o sujeito.

 

Se a sua vida está se tornando cada vez mais difícil, você pode estar ao lado de uma pessoa que sofre deste problema, e, certamente precisa ler esse artigo.

O ciúme patológico também é conhecido como Síndrome de Otelo, que se refere a um romance de William Shakespeare. Otelo – O Mouro de Veneza - retrata a história de um marido com ciúme patológico que mata sua honesta esposa. Essa história é muito famosa, porém, com final trágico.

O ciúme patológico é cercado de sofrimento, mas também de risco. Sua forma de se apresentar é por meio de ideias obsessivas ou delirantes, em relação a infidelidade do parceiro.

Como saber se o ciúme que seu parceiro sente de você é ciúme patológico?

Por meio de comportamentos absurdos, que fogem do bom senso.

Com muito medo de ter um rival, o sujeito desenvolve uma desconfiança tamanha, ao ponto de ser incoerente, possessivo e irracional.

 

Essa pessoa faz a junção entre a fantasia, a convicção e a desconfiança frequentemente.

 

Assim, suas ideias se transformam em certezas e delírios em pouco tempo.

 

Com isso, essa pessoa realiza a checagem das informações por pura desconfiança do parceiro - de forma bem compulsória.

Vivendo dia após o outro assim, essa pessoa sofre muito, pois deixa de experienciar o presente, para passar boa parte do seu tempo em busca de confirmações de infidelidade. 

Constantemente o indivíduo teme que seu parceiro tenha uma outra pessoa. Contudo, sua desconfiança  abrange também o passado amoroso do parceiro, onde expressa preocupações exacerbadas sobre relacionamentos antigos.

BAIXA AUTOESTIMA SINTOMAS

 

Conceito e dicas....

CIÚMES

 

O lado bom e o ruim

DOR DE AMOR - DOR DE AMAR

 

Você pode superar

O ciúme está em tudo? 

O que é ciúme patológico?

O indivíduo apresenta uma enorme vontade de domínio em relação ao outro, tanto com o sentimento quanto com o comportamento. Assim, o ciúme está em todo o lugar.

No ciúme patológico a pessoa afetada tem a certeza de que está ocorrendo à infidelidade, fundamentada apenas na própria fantasia. Porém, o medo que ela sente é totalmente proporcional a sua imaginação.

 

A dúvida sobre a infidelidade causa muito sofrimento, sendo comum presenciar o ciumento se sentindo inferior, inseguro, culpado, angustiado, ansioso, rejeitado - podendo desejar a vingança.

Os sentimentos que surgem são perturbadores e absurdos, gerando um prejuízo significativo para a relação.


Os pensamentos de ciúmes dolorosos são intrusivos, ou seja, não depende da vontade da pessoa que sofre deste quadro. A situação de dor que ele vivencia é bastante séria.

O ciúme patológico provoca um viver com desconfiança, sua forma de atuação pode ser considerada pelo parceiro como egoísta e ameaçadora.

Como geralmente o indivíduo age?

Ciúme Patológico

Alguns sinais do ciúme patológico

  • ​Invade muitas vezes a privacidade do parceiro, por meio de ​colocar escuta no telefone, aplicativo no computador, contrata detetive, segue o parceiro, chega de surpresa no local de trabalho ou em casa principalmente em horários indevidos, abre correspondência;

  • Faz extensos interrogatórios com intuito de pegar contradições, ficando nisso horas, e, cansando o parceiro;

  • ​​​Realiza cobranças diversas;​

  • Pode fazer ameaça de suicídio ou homicídio;

  • ​Verifica onde o parceiro está, falou, com quem está;

  • Invade as redes sociais, inclusive e-mail;

  • Confere bolsas, carteiras, fatura do cartão de crédito e extrato bancário;

  • Pode chegar à agressão.

 

Um dia ela acordou.

Assim mesmo: abriu os olhos e acordou!

A primeira coisa que viu, foi a si mesma.

E cega de amor próprio, foi enfim, viver!

Mell Barcellos

Exemplos de atitudes impulsivas extremas no ciúme patológico:

 

Marcar o corpo do outro com caneta, procurar provas da traição revirando objetos pessoais, roupas íntimas, fezes (para verificar se há resíduos de bilhete)...

Apesar de várias evidencias, o ciumento nem sempre concorda que está exagerando em seu modo de agir.

Desta forma, aceitar que está se excedendo já é um bom começo para evitar um resultado irreversível no futuro - tanto para ele quanto para o parceiro.

É possível perceber o próprio comportamento fora de controle?

 

Uma pessoa que sofre de ciúme patológico diante de um conflito se sente impotente. Muitas vezes, ela acha que está certa agindo assim. Infelizmente algumas se dão conta depois de muito sofrer. 

 

De um modo geral, trata-se de alguém que momentaneamente não se posiciona diante do outro de forma adequada. 

 

Assim, essa pessoa mantém um afastamento de suas experiências no presente, enquanto vivencia como real as fantasias sobre aquilo que é negativo - tomando conta de todo o seu comportamento.

 

 

 

Como ajudar o parceiro?

Ciúme Patológico

 

Ajudando o parceiro a se conscientizar do ciúme patológico:​

  • Conversar com ele sobre o que está sentindo;

  • Fazê-lo refletir sobre suas fantasias e a realidade que se mostra;

  • Não tentar convencê-lo da fidelidade, através de justificativas, porque isso só aumentará o problema;

  • Deixá-lo esclarecido de como é complicado ser acusado injustamente;

 

  • Mostrar o quanto ele precisa de ajuda;

  • Apresentar artigos sobre o tema.

Se observar que a situação está fugindo do controle, a pessoa que é vítima disso, não pode deixar que o parceiro tome conta da sua vida, incluindo colocá-la em risco.

 

Se necessário, pensando em preservar sua própria integridade, deve procurar se afastar. Em casos extremos, precisa procurar um órgão competente para denunciar possíveis ameaças e agressões.

 

O ciúme patológico é um transtorno afetivo grave, e deve ser tratado. O resultado costuma ser significante através da realização de psicoterapia e uso de medicamentos quando necessário.

 

"A mente é:

O que você pensa, é o que você se torna."

Sidarta

Nenhuma pessoa precisa ser vítima de si mesma ou das situações.

 

Nenhuma pessoa tem a sua vida já determinada por aquilo que sente.

 

Todas podem assumir compromisso sobre suas responsabilidades e desenvolver a consciência de seus atos, para que com isso consiga viver com mais liberdade.

"Abrindo os olhos" você descobre que o ciúme excessivo pode acelerar o rompimento amoroso!

Maria Cristina Santos Araujo
Psicóloga SP - 06/108.975