TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR

Conceito e dicas importantes

 

 

O que é o transtorno depressivo maior?

É um quadro psicológico cujos sintomas provocam: sofrimento e comprometimento no funcionamento de áreas importantes da vida de uma pessoa.

O problema pode durar meses ou persistir por anos - se não tratado.

 

A depressão pode ocorrer de forma leve, moderada ou grave. Nesse artigo será tratado sobre a forma grave.

Como é a depressão maior?

O transtorno depressivo maior traz mudanças na vida de qualquer sujeito. Existem pessoas que experimentam apenas um episódio depressivo maior, enquanto outras experimentam episódios repetidos ou sintomas duradouros.

Os sintomas do transtorno depressivo maior começam de repente, ocasionados por uma crise, perda ou mudança.

 

Qual pessoa pode desenvolver o transtorno depressivo maior?

Qualquer um pode apresentar o transtorno depressivo maior.

 

Entretanto, é possível observar seu surgimento a partir da puberdade. A média de idade para apresentação do transtorno depressivo maior é aos 25 anos. 

APRENDA A DIZER NÃO PARA AS PESSOAS

Vença esse problema...

LUTO OU DEPRESSÃO?

 

Conheça as diferenças

TRANSTORNO BIPOLAR

Conceito e informações para lidar com as crises...

O risco para desenvolvimento do problema é tendencioso em pessoas que sofrem de doenças crônicas, como AVC, câncer...

 

Acontecimentos significativos também podem ser fatores de riscos para depressão, como ocorre em situações de trauma, luto, abuso físico ou psicológico, isolamento social, bullying, negligência infantil, privação, ambiente de exclusão social, preconceito, desemprego...

 

A personalidade, aliada a compreensão e a valorização que o sujeito dá aos acontecimentos da sua vida, também contribuem significativamente para o quadro de depressão.

Também é importante mencionar a vulnerabilidade biológica e a herança hereditária que podem ocasionar o surgimento do problema.

O risco de suicídio - no transtorno depressivo maior

Um número que cresce é o risco de suicídio, que pode se propagar  durante as crises.

Os homens são os que mais praticam o suicídio, a maioria deles vivem sozinhos (solteiros). 

Tanto homens e mulheres apresentam sintomas similares. Porém, as mulheres são as que mais se queixam do quadro de depressão maior. Talvez seja incentivada pela cultura a procurar tratamento, talvez seja por questões hormonais.

Quais são os sintomas - 

Transtorno Depressivo Maior

 

 

Características dos sintomas - no transtorno depressivo maior

 

  • Humor deprimido em grande parte do dia, quase todos os dias (desesperança, sentimento de tristeza ou vazio);​

        

  • Diminuição do prazer ou interesse nas atividades na maior parte do dia e em quase todos os dias;

 

  • Perda ou ganho de peso (alteração no apetite);

  • Insônia ou hipersonia quase todos os dias;

 

  • Inquietação ou lentidão psicomotora quase todos os dias;

        

  • Fadiga ou perda de energia quase todos os dias;

 

  • Sensação de inadequação e inutilidade, podendo também sentir culpa exagerada quase todos os dias;

  • Dificuldade para pensar, se concentrar, tomar decisão, quase todos os dias;

  • Pensamentos costumeiros em relação a morte, podendo acontecer também ideação suicida recorrente.

Alguns detalhes importantes - no transtorno depressivo maior

Os sintomas apresentados não ocorrem em justificativa ao uso de substâncias (droga, medicamento) ou alguma condição médica (por exemplo, hipotireoidismo).

 

Os sintomas também não se relacionam a situações de luto.

Os sintomas causam prejuízo no funcionamento da pessoa, atingindo áreas importantes da vida dela. Inclui-se também um grande sofrimento.

A tristeza é expressa por meio de atitudes e também por seu rosto, mesmo que o indivíduo deseje negar, em algum momento ele apresentará isso. Pois os sinais são marcantes e visíveis, não podendo escondê-los por muito tempo. 

 

...e ao contrário do que falam, eu ainda acredito que às vezes andar para trás é o segredo para nos levar mais à frente.

Pode ser que a gente tenha perdido alguma coisa pelo caminho.

Mell Barcellos

Como é conviver com o transtorno depressivo maior?

Como são seus dias?

O indivíduo não vai para os lugares que gosta, não tem ânimo para fazer suas tarefas, fica deitado o dia inteiro.

 

Também depende às vezes dos outros. Isso não é nada fácil, principalmente para aquelas pessoas que são acostumadas com independência e produtividade.

A culpa e a vergonha - veja como aparecem

O indivíduo geralmente sente vergonha, por não estar vivendo sua vida da forma que gostaria.

Se percebe culpado, por fazer os que o amam se preocupar e também de frustrar suas expectativas. Entretanto, a culpa e a vergonha são sentimentos que não o ajudam a melhorar.

O desespero do vazio

A sensação de vazio pode ser difícil de enfrentar. Algumas pessoas entram em desespero.

 

Assim como, a falta de sentido na vida, onde o sujeito questiona o motivo da sua própria existência. 

Por que o indivíduo se isola - no transtorno depressivo maior?

Geralmente há muita vontade em permanecer sozinho, fechado dentro de um quarto ou apenas dentro de casa. 

 

Porém, a solidão nesse caso, pode não ajudar muito. Porque essa  pessoa precisa se sentir amada e importante para alguém.

 

Lembrando que no transtorno depressivo maior existem sentimentos negativos como baixa autoestima e sensação de desamparo. 

O transtorno depressivo maior muitas vezes, leva o sujeito ao afastamento do trabalho e do relacionamento social. Muito entristecido e sem energia, ele não tem vontade de sair da cama, muito menos de se relacionar com os demais. 

 

Por que a pessoa que sofre do quadro de depressão maior é mal julgada?

Quando ela consegue ir a uma festa ou alguma outra atividade de descontração, por exemplo, é com muito esforço que o faz. Entretanto, nesses momentos poderá ser mal compreendida pelos outros: "Ela não está doente", "Para passear ela sai de casa", "Só não gosta de trabalhar".

O que essas pessoas não percebem, é que muitas vezes, esse sujeito está satisfazendo a vontade de alguém, ou está usando muita energia para continuar sua vida apesar da depressão.

 

Além de que, o transtorno depressivo maior acontece por meio de episódios. Então, nem sempre a pessoa estará submissa aos sintomas. Sendo assim, em alguns momentos ela estará mais disposta, tentando  retomar suas atividades.

Como é conviver com alguém que sofre

de transtorno depressivo maior?

Como as pessoas agem no início do problema e após um certo tempo?

 

No início as pessoas ficam comovidas e complacentes com o quadro de transtorno depressivo maior que seu ente querido atravessa. Mas, com o tempo algumas delas se afastam, por não entender que se trata de algo que necessita de tratamento e, que não depende apenas da vontade do sujeito.

 

Algumas pessoas por falta de compreensão ampla sobre o quadro, poderão achar que o indivíduo é preguiçoso e que não tem desejo em melhorar. Entretanto, aquele que já sofre não precisa de julgamentos, é melhor que tais pessoas se afastem mesmo. 

Ainda que alguém já tenha passado pelo transtorno depressivo maior, e, tenha conseguido melhorar, é importante que saiba que sua experiência é única, e não pode ser comparada de forma equivalente a de outra pessoa. 

 

Embora, hajam semelhanças nos sintomas do quadro clínico, a vivência é bem particular.

Como ficam as responsabilidades?

 

Muitas vezes, aquele que sofre do quadro de transtorno depressivo maior tem responsabilidades que momentaneamente não pode arcar, ficando para os maios próximos essa tarefa.

Com o passar do tempo essa lida pode ser bem difícil, porém, é importante que os mais próximos não desistam de seu ente querido.

​Os episódios depressivos podem durar semanas, meses e anos - se não for tratado de forma adequada. 

O que você pode fazer para ajudar alguém que sofre de 

Transtorno Depressivo Maior

 

 

É importante saber que a pessoa com depressão pode não aceitar sua ajuda.

 

Às vezes, ela pode também se apresentar de forma irritada e agressiva com você. Porém, é interessante que entenda que o quadro de depressão é provocador (provoca + dor). Portanto, tais comportamentos não podem ser levados para o lado pessoal, mas sim, de uma forma compreensiva. 

Procure fortalecê-la, no sentido de afirmar o seu valor e também de reconhecer o esforço que está fazendo no seu cotidiano. Lembre-se que a pessoa que sofre do quadro de depressão, não pode ter sua vida dificultada pelos mais próximos. 

Ao oferecer ajuda é adequado perguntar:

 

  • O que você está precisando?

 

  • No que eu posso ser útil?

 

  • Você gostaria de fazer alguma coisa?

Ao questionar você confere a essa pessoa o poder de ação, que é diferente de dar ordens como: "Você precisa sair um pouco", "Você tem que se esforçar mais". Tais expressões só fazem o sujeito se sentir inadequado - piorando a situação.

Aja como se o que você faz, fizesse diferença, porque faz.

William James

Você também pode se colocar à disposição para acompanhá-lo em lugares ou para fazer as coisas. Porém, evite críticas, como se tudo dependesse apenas da vontade do sujeito.

 

Por essa razão, é importante que as pessoas próximas saibam sobre a doença, para que o auxílio seja com empatia e qualidade.

A prevenção é o melhor caminho - 

Transtorno Depressivo Maior

 

 

É possível prevenir o surgimento do transtorno depressivo maior?

Estamos numa sociedade que o consumo é desenfreado. Parece que as pessoas tentam obter a satisfação imediata, e, esquecem do mais importante que é: "viver com qualidade".

 

Viver com qualidade corresponde experienciar o "aqui e agora", mas sem negligenciar o futuro. Assim, como também é importante fazer uma alimentação saudável, atividade física, ter hobbies, descansar, procurar se envolver com pessoas que propiciam positividade.

 

Atualmente, muitos choram, mas postam fotos nas redes sociais sorrindo. Passam o mês inteiro se alimentando mal, se privando para economizar dinheiro, para num fim de semana postar fotos naquele restaurante maravilhoso, sem ao menos aproveitar o "significado" do que é estar naquele lugar.

 

Assim, a felicidade é passageira e adiada, enrustida em cada clique e em cada curtida.

Como numa linha de produção, se faz cada vez mais para apresentar uma imagem idealizada do que é ser feliz, porém no que se refere a saúde o "ganho é menor".

O sucesso do tratamento para depressão maior

 

 

Pesquisas têm mostrado que um episódio depressivo grave tem a probabilidade de alcançar 90% de remissão dentro de um período de 5 anos, sendo que 38% também atinge a recuperação. Contudo, algumas pessoas podem não se recuperar totalmente dos episódios, experienciando alguns sintomas residuais.

Mesmo que sem vontade e energia, o ideal é que a pessoa procure ajuda, principalmente se sozinha não está conseguindo sair disso.

O tratamento para o transtorno depressivo maior é feito com o auxílio de um médico psiquiatra. É importante focar nesta especialidade. Pois, esse profissional é capacitado para indicar uma medicação eficiente. É ele também que conhece aquilo que se passa com seu funcionamento biológico. 

É crucial agir. Também é importante procurar uma psicoterapia. Pois é num ambiente de segurança, que o indivíduo compreende suas necessidades e vulnerabilidades. Aprendendo também a atuar com assertividade para sair da situação.

O ideal é que psiquiatra e psicólogo trabalhem juntos. A família também precisa dar suporte.

Toda pessoa necessita se sentir respeitada e valorizada, para que consiga se admirar e aceitar a si mesma.  Não podemos de forma alguma desmerecer alguém, só porque esta pessoa está passando por um momento difícil. A doença não define uma pessoa, mas sim o que ela "é de verdade". 

As situações difíceis um dia passam. E, assim, a roda gigante que é a vida pode alterar a posição para cada um de nós. Com isso, ninguém está imune à depressão. 

Retomar a vida, mais experiente e com compreensão da própria capacidade é possível. Porém, é preciso dar o "primeiro passo", procurando ajuda. 

"Abrindo os olhos" entendemos que coisas ruins acontecem, para que possamos nos colocar em caminhos melhores!

Maria Cristina Santos Araujo
Psicóloga SP - 06/108.975

Endereço: Rua Abílio Soares, 233, 1º andar,        Paraíso - São Paulo - SP 

PSICOLOGA SP -

  • Instagram

ARTIGOS DE PSICOLOGIA

Os artigos aqui publicados representam alternativas para ajudar pessoas a refletir com conteúdo on-line. Porém, o ser humano não se esgota nisto, pois ele é muito vasto em suas possibilidades.

 

As publicações do Site de Psicologia não têm como pretexto substituir uma consulta profissional a um psicólogo, psiquiatra, neurologista, entre outros profissionais da saúde. 

Aviso Legal - Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98

É proibida a reprodução parcial e integral das informações contidas neste site, tanto em internet quanto em qualquer outro meio de comunicação sem autorização da autora, mesmo que citada a fonte.

 

As informações aqui contidas, podem ser utilizadas para trabalhos escolares, sem que sejam republicados na internet.

O site tem por caráter a expressão de conteúdos de Psicologia. No qual, conta a partir da visão da autora que é psicóloga, e não tem por caráter substituir consulta a um profissional da saúde.

Psicóloga em São Paulo: MARIA CRISTINA S. ARAUJO

CRP: 06/108.975

COMO ENTRAR EM CONTATO?

Apenas marcação de consulta e para tirar dúvidas sobre valores. 

Demais assuntos podem enviar mensagem para:

mensagem@psicorientacao.com

Devido ao grande volume de mensagens recebidas diariamente, serão respondidas "apenas aquelas em que eticamente posso auxiliar".

AVISO IMPORTANTE!

Por questão ética e clínica, não faço interferência terapêutica sobre pessoas que "não são meus pacientes". Espero que você entenda. Um grande abraço!

PSICÓLOGA SP: MARIA CRISTINA S. ARAUJO

CRP: 06/108.975

PSICÓLOGA SP: LILIAN VIEIRA N. LIMA

CRP: 06/39.533

"Abrindo os Olhos"

em breve

Podcast de Psicologia

Com assuntos interessantes

POLÍTICA DE PRIVACIDADE 

20/02/2021

Dados do responsável técnico

Maria Cristina Santos Araujo é psicóloga registrada pelo Conselho de Psicologia do estado de São Paulo (CRP: 06/108.975).

Nesse momento está trabalhando on-line devido a pandemia de covid-19. Sua presença no consultório presencialmente ocorre em casos específicos. Proprietária da empresa: CLÍNICA DE PSICOLOGIA SINGULARIDADE LTDA. – Inscrita no CNPJ 34.929.022/0001-52 – Endereço: R. Abílio Soares, 233, CONJ 11, Paraíso, São Paulo – SP, CEP 040005-000  

 

 

Tipo de informação coletada

  • Arquivo o seu e-mail somente quando você o adiciona no site voluntariamente, através do envio de mensagem por meio do formulário. O arquivo poderá servir futuramente para divulgação de meus trabalhos. Caso o cliente não tenha interesse, pode deixar registrado que não deseja receber e-mails da minha parte.

  • Além disso poderei utilizar ferramentas para medir e coletar informações de navegação, incluindo o tempo de resposta das páginas, tempo total da visita em determinadas páginas, informações de interação com as páginas. A tecnologia utilizada é o Google Analytics. As informações coletadas são utilizadas para melhorias do site, para criação de conteúdos que melhor atendam o público interessado nos mesmos. 

  • O site é hospedado na plataforma Wix.com. A plataforma online me permite apresentar serviços para os interessados. As suas informações podem ser armazenadas no banco de dados do Wix.com. O Wix.com armazena as suas informações em servidores seguros por firewall. O Wix.com está em conformidade com as regras do PCI DSS (Payment Card Industry Data Security Standards (PCI DSS) e é reconhecida como fornecedor nível 1.

Comunicação com os visitantes do site

  • O método de comunicação com o cliente é por meio de e-mail, quando a solicitação do mesmo é possível de ser realizada. Isso ocorre devido ao número de mensagens recebidas diariamente serem elevadas.  O WhatsApp é utilizado apenas para marcação de consulta e para tirar dúvidas sobre serviços.

 

  • A profissional aqui mencionada não pode fazer interferência terapêutica em pessoas que não são pacientes.

Alteração desta Política de Privacidade

O conteúdo desta Política de Privacidade pode ser alterado conforme a necessidade legal da lei ou outros requisitos de cunho jurídico. Sendo dever do cliente observá-lo sempre que efetuar o acesso à plataforma.

  • Pinterest