AUTOCOBRANÇA

Como lidar?

 

 

Uma voz interna que não dá sossego?

    

Algumas pessoas vivem a vida inteira ouvindo uma voz interior: “Deveria fazer isto”, “Você não pode ser assim", “Está agindo errado”.

Com tantos mandos e desmandos, é como se existisse uma pessoa internamente que te reprova a todo momento.

     

Às vezes, é comum responder de forma automática a uma cobrança interna, porém, esse movimento dia após dia pode ser cansativo. 

 

Pessoas que são mais sensíveis à autocobrança agem mediante regras pessoais rígidas. Já percebi no consultório, que algumas dessas pessoas não entendem as razões de tais regras. Pois assim, o sujeito  desconsidera que para cada situação, existe a possibilidade de uma nova atitude e reflexão.

Comportamentos mais habituais

 

 

O conflito para lidar com o mundo

Uma pessoa que se cobra muito, interrompe a própria ação espontânea, que inclusive, poderia ser mais assertiva e adaptada as necessidades dela própria.

 

Esse indivíduo age estendendo sua fronteira do "eu" para seu próprio mundo interior, criando dois ambientes numa só coisa. Onde, ele "manda" e ele mesmo "obedece". 

 

Geralmente faz consigo, aquilo que deseja fazer ao outro ou ao ambiente. Também poderá fazer para si, aquilo que gostaria que o outro fizesse para ele. Isso gera conflito, pois as demandas do "aqui e agora" solicitam uma postura mais criativa e eficiente para lidar com a própria vida.

Exercendo o controle absoluto sobre si mesmo

A pessoa que se cobra muito, impõe para si total comando, no qual ela mesma executa. 

 

As imposições podem ser atitudes, conceitos, regras. Geralmente vêm do mundo externo. Mas ela absorve como sendo seu, sem analisar se é coerente ou não. 

 

Às vezes, simplesmente quando admiramos alguém, e, acreditamos nessa pessoa, podemos incorporar internamente, coisas dela como comportamentos, frases, conceitos. Se isso se repetir inúmeras vezes, um dia nos tornamos cheios de elementos que não são nossos, mas do outro.

      

Frases como: “Não fui capaz”, “Não consigo fazer nada", "Fico me devendo sempre”, vem de objetivos traçados rigidamente e de “deverias não cumpridos”.

BAIXA AUTOESTIMA - no relacionamento amoroso

Veja o que acontece quando você se diminui...

AUTOSSABOTAGEM

 

Conceito e dicas....

DEPRESSÃO

 

Como vencer?

Por que é difícil parar com as autocobranças?

   

   

Supomos que essa pessoa que se cobra muito comece a responder de forma espontânea. Isso, para ela poderá ser assustador. Pois, além da autocobrança, ela também não tem autoconfiança, o suficiente para confiar que de alguma forma ela dará conta das coisas.

 

Essa pessoa receia o conflito, pois teme que algo aconteça errado. Então, quando ela direciona as energias para si mesma, por meio de autocobrança, significa que está num ambiente mais seguro. Porém, existe um acortinamento nesta realidade. Ela não está inteira com suas prioridades.

Pessoas que sofrem de autocobrança vivem como se estivessem carregando um peso nas costas.

 

São geralmente perfeccionistas, se exigem demais, não aceitam cometer erros.

Elas estão sempre atentas para se proteger das falhas. Entretanto, acabam devedoras delas mesmas.

Há coisas na vida que realmente dependem do nosso esforço, da nossa dedicação e ainda da nossa motivação. Mas, tem hora que é necessário parar um pouco e relaxar. O ócio é importante também.

 

Liberdade não significa ter asas para voar, mas sim espaço para poder usá-las.

Mell Barcellos

Aproveitar a vida tem mais a ver com a aceitação responsável "daquilo que é possível ser feito", do que com o "excesso de controle".

 

 

Veja aqui as consequências da autocobrança

Solidão e isolamento

Essa pessoa que se cobra muito se restringe a viver em seu próprio mundo, chegando a uma vida sem a participação de outras pessoas por perto. Assim, o sujeito acredita que tudo "sozinho" é melhor.

 

Dentro dessas condições, pouco a pouco as pessoas ao seu redor são vistas com desconfiança. Em seu íntimo, o sujeito acredita que não pode contar com ninguém. Provavelmente em seu passado, houveram situações em que ficou sozinho e teve que dar um jeito. Desta forma, aprendeu a desconfiar das pessoas e a se cobrar muito.

 ​

O isolamento, a falta de diálogo, a solidão, são situações recorrentes que em forma de queixas, aparecem  nos consultórios de psicologia.

Como viver melhor?

É importante criar uma admiração genuína pela pessoa que você é. Pois, aquele que se cobra muito precisa de espontaneidade e maior fluidez para com o ambiente.

 

Então, tente fazer coisas diferentes, conheça lugares que nunca foi antes, mude seu roteiro. Você pode gostar muito de sair da rotina. Aumente seu conhecimento e repertório e, veja como você se sente.

 

Tenha comportamentos e hábitos saudáveis.

Seja mais assertivo! Para isto, observe como você se comporta e quais as consequências de seus atos. Opine, se expresse.

Procure refletir sobre teus próprios pensamentos, convicções e comportamentos que sempre se repetem. Evite fazer as coisas só porque é bonito, está na moda, os outros valorizam. Tente considerar o que está de acordo com suas vontades, com aquilo que você acha que é certo e errado.

Viva cada dia com a graça de estar vivo, como alguém que pode fazer escolhas importantes para si mesmo.

Aceite que todo ser humano jamais é perfeito. E, se um dia você falhar, não desperdice a possibilidade de ser feliz. O sonho e a determinação ainda são os propulsores da vida.

Não seja prisioneiro de si mesmo, principalmente do seu passado. Ser flexível significa acreditar que sempre você fará de tudo para resolver seus problemas. 

  • Não considere nenhuma prática imutável;

  • Mude e esteja pronto para mudar novamente;

  • Não aceite verdade eterna.

  • Experimente!

B. F. Skinner:

O seu destino está bem lá na frente, então, não se acostume com a opressão, principalmente se elas vierem de dentro de você.

 

Também procure resolver suas situações pendentes. 

Faça aquilo que você melhor puder com aquilo que você tem. E, então, perceberá que os dias podem ser bem diferentes e significativos. 

"Abrindo os olhos" percebemos que a felicidade muitas vezes já está conosco!

Maria Cristina Santos Araujo

Psicóloga SP - 06/108.975